22.6 C
fpolis

Máquina de linotipo doada pelo Governo do Estado fará parte de Memorial da Comunicação Catarinense

Leia também

Por Renan Medeiros/Secom

Pelas mãos do servidor público aposentado Nivaldo Espírito Santo, passaram leis, decretos, portarias e documentos oficiais que ajudaram a moldar a história de Santa Catarina. Ao longo de 35 anos, ele exerceu uma função que a tecnologia extinguiu, mas permanece viva na memória: a de linotipista. Agora, esta memória será preservada.

A última máquina de linotipo que pertenceu à Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina (IOESC) foi entregue recentemente pelo Governo do Estado à Associação Catarinense de Imprensa (ACI) e irá compor o futuro Memorial da Comunicação Catarinense. A doação foi oficializada em 2006, mas a entrega ainda não havia sido feita, devido à inexistência, até então, de um espaço físico adequado para o equipamento e a dificuldade para o transporte.

::: Confira mais imagens da máquina no álbum

Convidado pela equipe da Secretaria Executiva de Comunicação do Governo do Estado e pela ACI a se reencontrar com a máquina, Nivaldo demonstrou conhecer a fundo, ainda hoje, o funcionamento e as características da ferramenta de trabalho que o acompanhou por mais de três décadas.

“Trabalhei 35 anos nesta mesma máquina. Entrei como estagiário, fiz um curso, passei e fui nomeado. Tinha umas 30 dessas, todas iguais. Começava a trabalhar das 7 horas às 11 horas. Depois, outra turma vinha, eu ficava, e começava de novo das 13 horas às 19 horas. O mais difícil era ficar na quentura da luz e do chumbo”, lembrou Nivaldo.

A máquina foi fabricada em Nova Iorque pela Mergenthaler Linotype Company, modelo 31. A data de aquisição não está clara – o sistema de gestão patrimonial do Estado, implantado em 1993, não preservou os detalhes das compras mais antigas -, mas equipamentos do mesmo modelo em museus pelo mundo têm a fabricação datada entre 1946 e 1948.

“Quando eu estava perto de me aposentar (em 2004), já estavam querendo mudar para rotativa”, lembra Nivaldo, que diz não manter mais contato com os colegas de trabalho da época. “A maioria já faleceu.”

Não é só na memória que o servidor aposentado guarda lembranças do ofício. O polegar direito também traz a marca de um dia em que o trabalho não saiu como planejado. “Este dedo é meio torto, meio ‘coisa’. Teve um dia que a máquina enguiçou, eu fui tirar, trancou o dedo e quase ficou decepado”, contou, aos risos.

Passado e futuro

Conforme a presidente da ACI, Déborah Almada, a máquina de linotipo será um componente importante do futuro Memorial da Comunicação Catarinense, localizado na rua Rui Barbosa, 621, bairro Agronômica, em Florianópolis. “Este equipamento tem valor inestimável para a memória da imprensa catarinense e irá impulsionar o processo de criação do Memorial da Comunicação, que começou com a conquista de nossa sede própria. Temos feito muitas ações de olho no futuro, mas o passado deve ser sempre lembrado e valorizado”, afirmou.

Além da máquina de linotipo e de um prelo (placa onde era montada a página a ser reproduzida, na chamada impressão reta), já abrigadas na sede da ACI, o Memorial terá espaços destinados à história do jornal, do rádio e da TV, além de receber exposições, cursos e eventos voltados aos profissionais de imprensa de Santa Catarina.

Mais artigos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimos artigos