25.6 C
fpolis

Conversa sobre Lei do Feminicídio e violência de gênero na imprensa abre temporada 2023 do Papo de Jornalista da ACI

Leia também

O Papo de Jornalista da Associação Catarinense de Imprensa (ACI) está de volta em 2023 no mês em que se debate mundo afora questões de gênero. A nova temporada do projeto abre na próxima quarta-feira (22), às 19h30, com uma conversa sobre sobre a Lei do Feminicídio e a cobertura de gênero e violência contra mulheres na imprensa. O papo será com três referências em Santa Catarina no tema: a repórter investigativa Schirlei Alves, a repórter e apresentadora Amanda Santos e a repórter Catarina Duarte. A mediação será da repórter Carol Macário, diretora de cultura da ACI. O evento é gratuito e será realizado na Casa do Jornalista, no bairro Agronômica, em Florianópolis.

Créditos foto 3 – Anderson Coelho

Em março de 2023, a Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104/2015) completa oito anos. Trata-se de dispositivo legal foi um marco no combate à violência contra a mulher.  A lei define que o feminicídio é o assassinato de uma mulher resultante de violência doméstica ou discriminação de gênero, ou seja, por sua condição social de mulher.

Jornalismo para combater violência de gênero

Apesar da legislação, o número de casos de feminicídio e de violência contra mulheres no Brasil é alarmante. Em Santa Catarina, só entre janeiro e outubro de 2022, foram 45 casos no Estado – 18,4% a mais que no mesmo período de 2021. A imprensa tem papel estratégico nessa luta, tanto por meio da fiscalização quanto por meio de pressão por políticas públicas eficientes.

Além disso, é papel do jornalismo ampliar, contextualizar e aprofundar o debate sobre a forma mais extrema de violência de gênero.  Com experiência na cobertura de casos, as jornalistas convidadas vão compartilhar suas próprias experiências cobrindo pautas complexas e dicas práticas de como abordar o assunto com familiares das vítimas, os dispositivos legais.

Conheça as convidadas

Schirlei Alves – Repórter que atua com jornalismo investigativo orientado por dados e sob a perspectiva dos direitos humanos. Formada desde 2008 pela Univali, colaborou para o Epoch Times, no Canadá, e atuou como repórter nos principais jornais do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Seus trabalhos mais recentes foram para a Folha de S.Paulo, Abraji, Agência Lupa, O Joio e O Trigo, The Intercept Brasil e Portal Catarinas. Recebeu como reconhecimento os prêmios ABCR de Jornalismo, Unimed e RBS. Em 2022, concluiu especialização em Jornalismo de Dados, Automação e Data Storytelling pelo Insper.

Catarina Duarte – Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É vencedora do Prêmio Ministério Público do Trabalho (MPT) de Jornalismo e do Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura. É autora do “Guia de Receitas Manezinhas”, lançado em 2020. Atualmente, trabalha no Diário Catarinense.

Amanda Santos – É apresentadora e repórter especial do Grupo ND. Já atuou no Fala Brasil e Jornal da Record.  Com mais de 14 anos de trajetória, produz reportagens e séries de cunho social. Estreou na Série “Vozes da Consciência”, que abordou o preconceito e a participações de negros para a evolução do estado. É de sua autoria também a série “Palavra de Mulher”, que tratou sobre violência doméstica. 

Carol Macário – Jornalista desde 2005, pós-graduada em Antropologia (Universitat de Barcelona), especialista em jornalismo cultural, experiência como repórter e editora nos principais jornais de SC. Trajetória como repórter freelancer para jornais e revistas de todo o Brasil: textos para Folha de SP, UOL, Valor Econômico e O Globo. Única brasileira contemplada com a Beca Gabriel García Márquez de Periodismo Cultural. Idealizadora da gulliver. É repórter especial da Agência Lupa.

Agende-se
Papo de Jornalista – Especial Mês das Mulheres: reportagem investigativa e cobertura de violência de gênero
22/03, 19h30
Casa do Jornalista (Rua Rui Barbosa, 621, Agronômica, Florianópolis)
Gratuito

Mais artigos

Últimos artigos